A rua que nos separava #2

04 de Agosto de 2011 Edson veloso Juvenil 673

- Quanto tempo você me esperaria? Em devaneios, uma jovem se perguntava. E suas indagações faziam o tempo correr
Naquela mesma cidade, no mesmo minúsculo bairro, a garota sentada à janela, observava a rua, tinha medo de acreditar, que era possível alguém sentir o mesmo que inflamava no seu peito, por isso só observava. Ninguém da casa entendia por que em todas as tardes, a garota fazia isso, em plena inércia observava toda aquela gente passar. Mas o seu interesse ia mais além. Era um garoto, que sempre se sentava à porta de sua casa, do outro lado da rua, que por coincidência fazia o mesmo, observava.
Havia notado que todas as vezes que ela jogava o lixo fora, logo depois o garoto voltava para dentro de casa. Resolveu tardar essa tarefa, só para contemplar por mais um segundo que seja, a bela face de ansiedade, que o menino sempre fazia quando se sentava na calçada. E quando via que o jovem estava a ponto de desistir, buscava os sacos e os levava para as cestas de lixo na beira da rua.
E lá estava ele, com uma cara de imensa felicidade mal disfarçada. Ela fazia aquele caminho ser eterno, pois, sabia que era o único momento que podia estar mais perto de quem diariamente o nome sussurrava em seu coração.
Como podiam ser tão perfeitos? Ela mirava sorrisos involuntários para o garoto, que mal sabia retribuí-los de tão inesperados, mesmo não sendo os primeiros, mesmo dizendo que queriam se juntar aos sorrisos dele.
- Desculpa se meus olhos não sabem dizer “eu te amo”. A menina dizia isso pra si mesma se matando por dentro por não ter coragem de dizer o que sentia.
Ela sabia que ele não estaria mais lá, mas mesmo assim quando entrava em casa a primeira coisa que fazia era correr até a janela e que em muitas vezes conseguia ver um vulto entrar na porta da casa do garoto. A jovem se mantinha feliz por que amanhã haveria mais lixo a ser posto pra fora e que alguém sempre estaria do outro lado da rua que os separavam.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Equação do Amor há menos de 1 hora

Corre pra mim... Talvez eu ainda não saiba o que é o amor; Não tenha ...
a_j_cardiais Poesias 29


Qual é a Nossa Parte? há 8 horas

O conceito arminiano de que devemos fazer a nossa parte para que Deus pos...
kuryos Artigos 5


"Lagrimas" há 11 horas

Um silêncio triste e profundo Uma lágrima caiu Na tarde fria, e escura ...
joaodasneves Poesias 6


Realidade, Deixe-me Sonhar há 11 horas

Ah, realidade, realidade... Você não respeita minha privacidade. Vo...
a_j_cardiais Poesias 27


"és nada" há 16 horas

Como me pude apaixonar De um alguém como tu Passado pouco tempo pude con...
joaodasneves Pensamentos 8


"Ela mora" há 16 horas

A minha unica paixão é a solidão, ela vive na minha casa, e mora bem ...
joaodasneves Pensamentos 9