O colecionador de estrelas

04 de Agosto de 2011 Edson veloso Juvenil 865

Já era à hora delas, como sempre pontuais. Aquele brilho perene que dissipava a noite precedia minha contemplação. Eram inúmeras. Cada ponto semelhante a uma donzela. Cintilavam uma dança de intensas cores, deslumbravam suas virtudes, que do desgraçado é a miséria, porém ignoravam. Uma noite realmente única.
Enquanto isso na terra dos mortais, as horas corriam para o passado e o que eu deveria escrever?Indagação que pairava uma velha mesa marrom e uma iluminaria vagabunda de meia luz. Em um cubículo tão sórdido quanto a dama que se sustenta da noite.
De qual sentimento carece sua alma? O que possivelmente o faria ler este aglomerado de idéias e apreciá-lo como eu gostaria que fizesse? Poderia escrever uma bela história de amor? Talvez e com um lindo fim e fazê-lo desejar viver feliz para sempre. Orgia-lo em obscenas palavras...? Faria algum sentido? Apetecia de inspiração enquanto notava aquela desordem.
Mas o porquê de agradar?
O relógio nunca fora tão desnecessário era ironicamente passageiro. Cada badalada sua era como se meu coração sangrasse pela impotência da minha carne.
A falha da luz de tempos em tempos, as folhas do jornal de ontem espalhadas pelo chão, riscos na parede e escritos em alguns objetos...
Ruídos do lado de fora, no frio da noite vaga em compasso com a ponta do lápis batendo na madeira produziam uma sinfonia, acompanhando meus pés que agredia o chão por me prender. Cada detalhe conspirava no desejado anônimo.
Confesso! Minhas palavras são nuas e talvez insuficientes para despertar em alguém um mínimo de inspiração que seja tanto para seus rascunhos quanto de senso para o que for necessário. Porém são sinceras assim como bela é a face do céu.
Indagações e mais indagações, começam a me importunar. O porquê de encantar? O porquê dessa tentativa frustrante de mascarar o que a face já é conhecida?

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
ETERNAL (rondó) há 1 hora

ETERNAL (rondó) Não o poeta, sim a poesia Em cada verso haveria- De ...
ricardoc Poesias 5


Sintomático há 6 horas

Divagando pela favela, penso nela olhando a aquarela do sol se pondo. ...
a_j_cardiais Sonetos 26


"Minha humilde casinha" há 2 dias

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 18


Se Poema For Oração há 2 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 66


"Bailei com a solidão" há 2 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 16


Perseverar Até o Fim – Parte 1 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 31