Acreditei haver um motivo pelo qual valesse a pena viver, acreditei no ato de nascer. No desenrolar da vida, se mostrou mais distante, mais irreal. Só provou teses, confirmou teorias. Parecia não haver mais a razão de sempre, acreditei realmente que houve um fim em algo que mal teve o seu começo, porém surgi sentimentos novos, inexplicáveis, que muda tudo e começa escrever algo novo de forma diferente.
Percebemos que o melhor motivo pra viver, é estar vivo. Para expressar algo que não sabemos expressar. Entender coisas que nunca entendemos, dizer coisas que não tivemos tempo de dizer, mostrar, ensinar, amar. Tempo! Mesmo quando não há nada a ser feito. Amor! Mesmo quando não há ninguém pra ser amado. Paz! Mesmo quando o mundo corre na direção contrária.