Quem em sã consciência, não notaria que eu estava loucamente apaixonado? Meus olhos diziam isso, minha boca dizia, minha respiração -quando eu estava próximo a ela- também. E meu coração então? Gritava felicíssimo; “- Bendito seja aquele que inventou o amor”.