Um mês após o sumiço dos três travestis, o lago foi interditado. Mas isso não impedia as pessoas de irem tomar banho nele. Foi o que fizeram outros dois garotos.

 -Vamos nadar. falou um rapaz loiro.

 -Tu tá louco Alberto? - perguntou um jovem magrelo. - e se o peixe aparece e nos engole?

 -Deixe de ser cagão, Alfredo. o monstro já bateu as botas. Vou entrar na água.

 -Não faça isso Alberto, pode ser perigoso. - dizia Alfredo preocupado.

 -Você querendo ou não, - anunciou Alberto - la vou eu.

 Alberto correu em direção ao lago com roupa e tudo, ele se aproximara do lago quando, de repente, uma voz o interrompe:

 -Alguém tem papel higiênico? - perguntou Zé, o dono do bar que estava cagando atrás de uma moita.

 -Deixa de frescura e limpa com as folhas. - falou Alberto.

 Após se limpar, Zé saiu gritando enquanto coçava a bunda: era urtiga!

 -Se joga no lago que a coceira passa. - sugeriu Alfredo.

 Zé se jogou no lago, soltando um grito de alivio, mas afundou instantes depois. Os dois garotos se apavoraram. Eles estavam prestes a pular, quando uma boca cheia de dentes se escancara no fundo do lago. O peixe gigante havia retornado.

                                                           CONTINUA...