Há coisas na vida que muito preciso
Mas necessitado, ainda assim não me atrevo
Eu quero beijar-te, mas sei que não devo
Indigno que sou de esconder seu sorriso.

Mas se o beijo for bom eu sei, com certeza
Outro sorriso há de aparecer
E eu, pobre mortal, como vou me conter
À tentação de esconder tamanha beleza?

Mas eu sei que nisso nem devo pensar
Pois minha imaginação tão longe não alcança
Seus lábios frente a mim em uma eterna dança
Que até em meus sonhos insistem em me visitar.

Nem tudo que quero, eu sei, pode ser meu
O que posso fazer além de ter paciência?
Haverá remédio ou solução na ciência
Que possa um dia levar-me aos lábios teus?