Deus quer nos ensinar a dependermos inteiramente do Espírito Santo e da Sua graça, para que possamos viver de maneira triunfante e santa, e é por isso que todos aqueles que estão cheios de sentimentos de auto-suficiência terão frustrações sobre frustrações porque não é pelo seu próprio poder que o homem pode prevalecer sobre o pecado, sobre o mundo e sobre Satanás, senão somente pelo Espírito Santo, que nos foi dado para que vivamos através do Seu poder.
E isto será assim por toda a eternidade porque o homem foi criado para ser habitação de Deus no Espírito, e somente vivendo e andando no Espírito cumpre-se o propósito eterno de Deus na nossa criação.
Não é possível portanto experimentar as consolações de Deus aparte de um andar no Espírito.
Afinal, quem pode vencer os abatimentos, tristezas, temores, desapontamentos e desânimos a que os cristãos estão sujeitos em grande variedade?
Que alívio eles poderão obter senão aquele que emana de um poder infinito?
Sim, tal é a condição espiritual e constituição das almas dos cristãos, que eles frequentemente rejeitarão todos os meios de conforto a não ser que sejam comunicados por uma eficácia todo poderosa, que seja capaz inclusive de incentivá-los a vencer o desânimo deles em serem consolados, seja por causa do cansaço, da vergonha pelos seus fracassos e pecados etc.
Consequentemente é o próprio Deus quem cria o fruto dos lábios: Paz, paz - Isaías 57.19; paz produzida nas almas dos homens por um ato criativo do Seu poder, que nos é concedido quando o procuramos na excelência infinita da Sua natureza divina.
Então que ninguém se atreva a fazer este trabalho de Consolador da Igreja, que pode ser feito somente pelo próprio Espírito Santo.
Ele, e somente Ele, por sua onipotência, pode remover todos os temores, e apoiar os cristãos debaixo de todos os seus abatimentos.
Assim, até mesmo quando procuramos consolar a outros com as mesmas consolações que temos recebido de Deus, devemos fazê-lo no poder e influência do Espírito Santo, porque será sempre Ele, e não propriamente nós, quem consolará os abatidos de espírito.
Nada mais do que a Onipotência pode nos livrar das desconsolações inumeráveis a que estamos sujeitos.
Esta consolação é um ato da grandeza excelente do poder de Deus, e sem a qual não pode ser realizada.
Assim os meios e causas da desconsolação dos cristãos apontam para a mesma fonte do conforto deles.
Qualquer poder do inferno, do pecado, do mundo, isoladamente ou em conjunto, pode roubar a paz e conforto dos cristãos.
Então é o próprio Deus que declara que é Ele quem conforta o Seu povo:

"12 Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois, és tu para que temas o homem que é mortal, ou o filho do homem, que se tornará em erva?
13 E te esqueces do Senhor que te criou, que estendeu os céus, e fundou a terra, e temes continuamente todo o dia o furor do angustiador, quando se prepara para destruir; pois onde está o furor do que te atribulava?
14 O exilado cativo depressa será solto, e não morrerá na caverna, e o seu pão não lhe faltará.
15 Porque eu sou o Senhor teu Deus, que agito o mar, de modo que bramem as suas ondas. O Senhor dos Exércitos é o seu nome." (Is 51.12-15).