Partes de um sermão de Charles Haddon Spurgeon, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra.

"Ordena os meus passos na tua palavra e não deixe que qualquer iniquidade tenha domínio sobre mim." (Salmo 119: 133)

Esta não é a oração de um homem não convertido, ou o clamor de um pecador despertado, tolamente esperando encontrar a salvação em boas obras; é a oração de quem é salvo, e quem sabe disso. O versículo que precede o texto mostra isso, pois ele pede para ser misericordiosamente tratado como o Senhor faz para com os que amam o Seu nome. Ele, portanto, está confiante de que é um daqueles, que é participante do favor divino, e tem a evidência disso no seu amor ao nome do Senhor.
Agora, aquelas pessoas que estão verdadeiramente salvas clamam contra qualquer coisa como a confiança em boas obras; você deve ouvi-los denunciar com todo o seu coração a justiça própria em cada forma; você deve ouvi-los pregar com poder e principalmente a justiça do Senhor Jesus Cristo como a única confiança sobre a qual a alma pode descansar; e ainda, ao mesmo tempo, essas pessoas são, de todas as demais no mundo, as mais zelosas de boas obras, e as mais sinceras em serem santas, e no temor de Deus para adornar a doutrina de Cristo, seu Salvador em todas as coisas.
Davi não cria em salvação eterna da alma por seus próprios méritos; ele tinha sido levado pela graça a confiar na aspersão do sangue precioso, e a se gloriar em outra Justiça, do que a sua própria, mas ainda assim ele é incansável na oração e nos esforços sinceros para ser purificado de todas as falhas da vida, e viver em santidade prática como fiel servo de Deus.
A oração diante de nós é o gemido de uma alma salva após um estágio superior de santificação; é a respiração ofegante de um espírito já reconciliado com Deus, para ser mais perfeitamente conformado à mente e vontade do Senhor.
Notemos cuidadosamente cada palavra do texto. "Ordena", diz Davi, ou como alguns leem, "estabeleça firmemente ", ou, "encaminhe justamente os meus passos. " Davi, olhando para o exterior da criação divina viu ordem dominante em todos os lugares, em cima no céu e embaixo na terra, e mesmo entre as aves do céu, e os peixes do mar; ele desejava, portanto, estar em conformidade com a harmonia do universo. Ele não tinha medo de ser ridicularizado por viver por método e regra, pois viu método e governo nas instituições divinas, ele não aspirava a uma vida aleatória, como a daqueles cujo lema é: "Faça o que você quiser." Ele não tinha concupiscências para serem o seu mestre, ele desejava em todas as coisas ser regido pela superior e todo-perfeita vontade de Deus. No texto, o rei Davi se curva em homenagem ao Rei dos reis; ele se alista no exército do Senhor dos exércitos, e pede ordens de marcha, e graça para obedecê-las.
Observe a próxima palavra, "os meus passos "; ele está ansioso quanto a detalhes. Davi queria que em cada etapa ordenada na santidade; ele desfrutasse de orientação celestial em cada parte detalhada de sua jornada em direção ao céu. Grande parte da beleza da santidade encontra-se em pequenas coisas. Se uma vida vai suportar o exame em cada hora, deve ser pura de fato. Aqueles que não são cuidadosos com suas palavras, e até mesmo com seus pensamentos, em breve irão ficar descuidados a respeito de suas ações mais notáveis. Aqueles que toleram o pecado do qual pensam ser pequena coisa, em breve cairão em assuntos mais importantes.
Esta breve oração: "Ordena os meus passos", ensina-nos a ter atenção para as minúcias da vida; e que possamos ter a graça de aprender a lição.
"Ordena os meus passos na tua palavra." Note a expressão - não por sua palavra, nem de acordo com a sua palavra. A frase inclui isto, mas significa muito mais. O salmista, evidentemente, olha para a palavra de Deus como sendo o caminho mesmo de sua vida, e ele ora para que possa caminhar dentro das linhas que a palavra de Deus delimita. Este “na tua palavra” significa como se estivesse gravada no meu coração, e, em seguida, abrangesse todos os meus caminhos, pensamentos e ser. A palavra é o caminho da nossa marcha, o mar da nossa vela, o pasto da nossa alimentação, a casa de nosso repouso. Senhor, não nos permita ter um só passo para fora dela, nem um passo desordenado nela.
" E não deixe qualquer iniquidade ter domínio sobre mim", acrescenta o salmista. Ele frequentemente acrescenta uma petição negativa em suas orações positivas, como se para concluí-las. A segunda expressão é mais fraca do que a primeira, e é como se o suplicante dissesse: "Se, ó Senhor, os meus passos não puderem ser tão bem ordenados em sua palavra, como para ser completamente sem pecado, ainda assim não deixe que qualquer iniquidade ganhe o domínio do meu espírito, mesmo nas aberrações da minha alma, faça com que ela seja ainda fiel a Ti - se o pecado assalta-me, pelo menos, não o deixe escravizar-me; se eu desviar por algum tempo, deixe-me ainda ser considerado como a sua ovelha, e não uma do rebanho de Satanás. Oh meu Senhor, não permita que haja iniquidade para se sentar no trono do meu coração, e me faça seu servo e vassalo. Se eu escorregar na lama que seja senão um deslize, e não permita que me chafurde na lama."
A vida santa é uma obra-prima da ordem , e não uma obra do acaso. Davi ora para que seus passos possam ser ordenados; a santidade se alegra com a simetria, harmonia, proporção, ordem. Se considerarmos, no início da ordem de que a santidade deve ser em conformidade com a regra prescrita, temos essa regra nos dada na pessoa de Jesus, o Verbo encarnado. A lei, não na mão de Moisés, mas na mão e na vida do Redentor, é a regra de vida para um homem cristão. Cada ação da vida deve ser, se julgada por si só, examinada por Deus que tudo vê, uma ação conformada na santidade perfeita de Jesus Cristo nosso Senhor.
Nós nunca podemos nos dar ao luxo de brincar com nossas ações, palavras ou pensamentos. Mesmo quando estamos sozinhos. Os homens se tornam tolos quando pensam com leviandade mesmo de suas ações mais banais. A vida é sempre uma grande solenidade, pois está ligada a Deus; e à eternidade. Tome cuidado para que você assim a respeite, e nunca brinque com ela como se fosse uma vaidade.
Não devemos esquecer os nossos relacionamentos com nossos familiares. Um cristão arrependido não deve deixar de andar na sua própria casa de acordo com os deveres exigidos na palavra. Você é um filho? O cristianismo exige que você honre seus pais. Você é um empregado? O evangelho de Jesus não lhe ensina a roubar, ou a ser atrevido e desrespeitoso. Você é um mestre? Sua religião coloca você sob a obrigação de ser o melhor dos mestres, porque você mesmo tem um Mestre, Cristo. Você é um pai? A religião lhe impõe novas funções para educar seus filhos no temor de Deus.
Nós temos vizinhos? Deixe-nos abençoar a todos em torno de nós; abençoar e não amaldiçoar. Quem quer que seja o nosso vizinho devemos tratá-lo de acordo com a lei de amor de nosso Senhor. Não tenho o direito de irritar o meu vizinho; não tenho o direito de fazer qualquer coisa que lhe cause perdas ou danos; pelo contrário, sou obrigado a amá-lo como a mim mesmo.
Amado, você tem relações para com os pecadores não salvos. Estes são de um tipo muito solene. Visto que Cristo lhes amou, e morreu para salvá-los, ele lhe ensinou a amar os outros, e estar disposto até mesmo a dar a sua vida para que possam ser salvos.
A perpetuidade da retidão é a própria beleza da santidade. A vida de ninguém está bem ordenada, se por trancos e barrancos ele é cuidadoso e novamente é descuidado a respeito de como ele age. A santidade não é um cometa em chamas, é uma estrela fixa que brilha em meio à escuridão de uma geração corrupta. A santidade é perseverante na obediência à Palavra de Deus.
Há uma ternura peculiar de caminhada, uma elevação de espírito, um desapego da mente, que se espera do cristão, não como um homem, mas como um homem nascido duas vezes, como favorito do céu, como aquele cujo caminho é Cristo, cujo fim é Cristo, e que, portanto, não pode lhe ser permitido e tolerado viver em atos, como era de se esperar de um homem não convertido.
Muito resumidamente, em segundo lugar, vamos observar a Regra desta ordem . "Ordena os meus passos na tua palavra", não" Ordena os meus passos de acordo com os meus desejos." Isso seria mera vontade própria. Muitos homens encomendam os seus passos de acordo com o princípio de lucro e perda mundana ; e isto é baixeza e ganância. O verdadeiro seguidor de Jesus não pede para ter seus passos ordenados de acordo com a regra de prazer como aqueles que sempre escolhem este caminho que leva para o inferno e não para o céu. O bom homem está ansioso para ser conformado à palavra de Deus, seja a estrada áspera ou lisa.
É melhor ir para o céu sozinho do que para o inferno com um rebanho. O santo não solicita para ser conforme à tradição. Não; o santo não se importa com os dogmas de sacerdotes ou com as tradições dos anciãos, mas "ordena os meus passos na tua palavra" é a sua oração.