Bem aventurado os mansos, porque eles herdarão a terra(Mateus 5:5) Cristo fala no sermão do monte sobre a mansidão, é um assunto importante, porque envolve sinais de vida transformada e nos remete aos assuntos escatológicos. Novos céus e uma nova terra que será povoada por homens mansos. A tranquilidade de corações redimidos será uma marca distinta entre os homens salvos vivendo na eternidade num ambiente santo e consagrado a justiça, pois nesses novos céus e nova terra, habitará a justiça. Então aqui está algo importante, a mansidão bíblica é distinta por sua qualidade de ser um fruto espiritual. Jesus disse: "Aprendei de mim que sou manso"(Mateus 11:29) a mansidão verdadeira é divina na sua essência, e só Cristo pode ensinar tal virtude. Tambem vimos que é uma obra do Espirito Santo, Paulo menciona a mansidão quando fala do fruto do Espirito Santo (Galatas 5:22 e 23) A mansidão espiritual só é possível quando estamos em paz com Deus, isso só pode ser possível quando deixamos de nos rebelar contra Deus (Romanos 5:1) A paz de espirito nos remete para tal condição de vida mansa. Coisas terrenas não podem apaziguar nossos tormentos internos, prazeres mundanos não podem cicatrizar as feridas causas pelo pecado. A permanência do equilíbrio espiritual em meio as turbulências da vida só é possível quando Cristo habita em nosso coração, quando o evangelho nos ensina o modo correto de viver, quando nossa esperança é nutrida por realidades espirituais, quando o Consolador nos dá a luz da glória do evangelho. Cristo era manso, havia nele um equilíbrio espiritual, suas atitudes eram santas e seus conselhos sábios. Ele entrava na realidade da dor ou do sofrimento e de forma mansa permanecia em paz, deixando que a dureza de uma situação lapidasse a sua missão existencial, para que o proposito da sua vida surgisse a partir das adversidades mais intensas de uma dificuldade. O mar estava bravo, mas ele andava mansamente sobre as ondas, sua face estava sendo cuspida e esbofeteada, mas ele permanecia no encalço da paz interior. Judas lhe dá um beijo de traição, mas a sua alma permanecia suspensa na plenitude da compaixão. Essa mansidão nos ensina o modo como devemos viver aqui nesse mundo, treinando nosso coração para viver a eternidade, da mansidão do agora para a contemplação do infinito, e assim seremos em Cristo cristãos bem-aventurados. (Da série de Sermões sobre as bem aventuranças- Pregado na Base Missionaria Nova História-Paulo Lopes SC- Autor: Clavio J. Jacinto(48) 99831-5702)