Tudo é relativo nessa vida. Nosso ponto de vista depende das experiências que já tivemos. Felicidade é relativo. Amor é relativo. Ser otimista é relativo. Porque a gente não faz nada sozinho, tudo é em relação a outro alguém ou alguma coisa. Ação e reação. Relatividade. Relações. Tudo gira em torno dessa variável, só depende de que maneira você queira ver. Uma pessoa é feliz baseada em seu modo de vida e nas escolhas que toma para ela. Alguém ama por querer bem, por gostar da companhia, por querer pra toda vida ou apenas por carência, depende. Eu sei que ontem foi bom, hoje está sendo ótimo e amanhã... depende, é relativo.
É como um ciclo em que somos apenas coadjuvantes do tempo e suas nuances, reservas, acasos. Ou destinos. Depende da relação que você tem com o mundo e suas atitudes, sabe? Talvez você saiba, talvez não entenda. Ou talvez, ainda, compreenda tão bem que se sentiu meio atordoado agora. Não é dúvida, indecisão. São escolhas, que dependem desse conjunto de coisas que só o tempo consegue dizer e guarda pra si até o momento em que o acaso ou o destino surge como o protagonista, soprando em nossos ouvidos, como uma brisa, o rumo para trilhar, o sentimento a aflorar e a certeza do que seguir.