Eu acho incrível a forma como as pessoas de classe média e alta julgam os “menos afortunados” com sendo preguiçosos ou até mesmo vagabundos. Talvez estes se deixem levar pela fantasia de que todos nascem em “berços de ouro” e o que acontece dali para frente é fruto única e somente de seu esforço e seu trabalho, se negando a enxergar a situação deplorável em que alguns vem ao mundo, sem qualquer base financeira e educacional por parte de seus pais e sem portas douradas abrindo-se à sua frente graças à influência de alguém maior. Entretanto, apesar de tantos infortúnios, a maioria é de trabalhadores que derramam o seu suor e até mesmo seu sangue para manter essa grande engrenagem girando, mas apesar de seus esforços não conseguem galgar melhor status financeiro. A culpa disso muitas vezes está naquelas mesmas classes que julgam esses indivíduos, pois são elas que impõe o preço, o salário, as cargas horárias e, portanto a sua renda e que muitas vezes agem como “bons brasileiros” e realizam “pequenas corrupções” para alcançar o que desejam. O importante é que não devemos julgar o outro por mais deplorável que seja sua situação financeira, pois é fácil julgar quem vive de esmolas quando nunca se passou fome.