Imagine um filme americano de adolescentes. Provavelmente os personagens vão à escola e voltam a pé, junto com seus colegas, andando alegremente, pelo percurso.

Sempre tive vontade que isso acontecesse comigo, mas nunca foi possível, ou por ser longe da minha casa, ou por ser tarde e perigoso voltar a pé.

Mas a sensação de estar dentro de um carro ou de um perua não se iguala nem um pouco ao de sentir o vento no seu rosto enquanto seus pés se movem rua acima (ou abaixo), enquanto você caminha alegremente, observando o mundo ao seu redor. É tão grande o número de coisas que se pode descobrir quando se realmente olha com os olhos.

Ver a natureza, uma flor em meio ao colossal grupo de edifícios, casas e construções antrópicas em uma cidade urbanizada e unicolor. Poder perceber um arco-íris em cada jardim, ou em cada sorriso.

Ah, é bom pensar. E, como diria Camões:

"Caminhar é preciso!"