“Não sou muito boa com palavras e expressões. Mesmo assim sinto uma necessidade enorme de colocar pra fora esse vazio, essas perguntas, esses desconfortos, esses desencontros, essas desilusões. Me sinto aprisionada nesse corpo, cheio de limitações. Sociedade hipócrita. Onde se esconde a liberdade? Onde está o respeito? Eu não sou culpada. Não sou muito diferente dos outros seres vivos pensantes. Sou mulher. MULHER. Da pra pararem de olhar pra mim como não tivesse opinião? Como faltasse algo? Como se eu não fosse importante? Como não fosse inteligente suficiente pra fazer do meu corpo aquilo que bem entendo? EU SOU MUITO MAIS QUE UM OBJETO SEXUAL. SOU MUITO MAIS QUE PEITO E BUNDA. NÃO SOU RESERVATÓRIO DE ESPERMATOZOIDE. NÃO SOU E NUNCA VOU SER UM PEDAÇO DE CARNE. Eu mereço muito mais respeito, liberdade. Parem de me aprisionar com suas estatísticas, eu não quero emagrecer, eu não preciso daquela roupa, eu não quero aquele sapato, eu posso ir aonde, quando quero e como quiser, eu posso seguir a profissão que preferir. Eu tenho escolha. Deu pra entender? EU SOU DONA DO MEU CORPO.”