Com meus olhos abertos pude ver cada palavra escrita por ela, numa perquena carta na cabeceira da minha cama, mas, quando fechei os olhos, continuei visualizando a forma como os cantos da boca dela levantavam levemente sempre que ela dizia algo engraçado, ou a forma como as sobrancelhas dela se juntavam quando estava concentrada em uma atividade. Rolei na cama por um bom tempo, sem conseguir dormir, imaginando se, talvez, apenas talvez, ela também estaria acordada, pensando em mim, pude imaginar seu corpo no meu, vi seu rosto e o modo como me olhava, parecia um olhar de amor e desejo, um olhar misterioso que me conduzia para o Pais das maravilhas, por um tempo pensei que tudo fosse, parecia tão real, cada palavra que ela sussurrava ao meu ouvido, cada beijo, cada curva, quando se mexia de uma forma que só ela consegue, quando dizia baixinho meu nome ao chegar no ponto certo, meu corpo tremia, e cada toque é como se minha mente pudesse voar, mas quando abri os olhos novamente, tudo não passava a ser nada além de um sonho, uma vida além da minha própria realidade, como poderia sentir tudo sem que ao menos me tocasse realmente ? Talvez pelo simples fato de que eu a quisesse ali naquele momento, sem explicações e sem argumentos apenas toca-la já era  suficiente, foi ali que aprendi, que a realidade é a ilusão perfeita. Ela é a mulher que vai te fazer sorrir quando você está prestes a se derrubar. Ela é a mulher que vai fazer de tudo para te ver bem. Ela é a mulher que vai te odiar e te amar ao mesmo tempo. Ela é a mulher que vai fazer você rir que nem um ser retardado de suas piadas sem graças. Ela é a mulher que sempre procurei. Ela é a mulher  que eu queria para mim. Ela é a mulher que qualquer pessoa ia querer ao seu lado. Ela é a mulher que não se encontra por aí. Ela é a mulher que eu nunca vi. Ela é a mulher que está longe do alcance de ser minha.