olhares perdidos, sangrando no chão, o povo sentindo que o bem é ilusão.Abaixa a arma que sapeca,o couro dum louco,traficantezin tá louquin,pra sair dando pipoco.De vacilo nas calçadas, o homem de bem, vai pra mais uma jornada,n sabe quem vem vai ,pra cima e pra baixo,ou se sai e não volta nunca mais.O radio chia na cozinhae minha tv na sala anuncia que hoje o mal esta nas ruas de tocaiazé galinha sente fome pois engole seco o que a sociedade lhe dá o crack o pó e o medoPois é, nascemos aqui jogados no chão morremos aqui enterrados sei não.Mulher da vida a terra que nos da a cria e nos cria,do barro viemos pro ar iremos como cinzas de um ser pequeno.