Cortei os cabelos,

fiz o café

enfeitei a mesa com uma flor,

na esperança de te ver de novo, com aquele mesmo sorriso

que nem o tempo consegue mudar.

Espero, pacientemente e cheia de esperança no coração,

que tão logo volte,

a tempo da flor ainda estar viva

e cheia de cor,

do café ainda estar aquecido, fumegando

na sua xícara

e de meus cabelos estarem do mesmo jeito que estavam

como da última vez que te vi.

E assim faço e ajo

Aparando as pontas

coando cafés

e trocando flores do jarro,

quantas vezes mais for necessário,

tão logo e sempre, 

pacientemente.