Morte

21 de Agosto de 2011 Talaris Poesias 401

O reluzente do Cano,
Uma Bala que por engano,
Meu Pescoço vem atravessar.

Poderia ser qualquer Dia;
Mas não nessa Fantasia;
Com a qual só posso sonhar.

Sem Alma ou Coração,
De qualquer Lado ou Nação,
Volto eu a me enterrar.

Eis o Sonho que não se sonha,
Minha Felicidade mais tristonha.
Não há nada para desamparar.

No Vazio do Escuro,
Só encontro o que procuro;
Uma Morte a me consolar.

Mas então houve seu Rosto,
Num Paraíso sobreposto.
Um Amor a se eternalizar.

Logo após o Desespero,
Como da Comida o Tempero,
Do Nada veio Você me salvar.

A falsa Harmonia,
De seu Sorriso num belo Dia.
Sem Tempo pra incomodar.

Agora a falsa Sinceridade,
Honesta, fora da Realidade.
Sonho que não pode acabar.

Morte de um Surto;
Perfeita por um minuto;
Eterna do Olho sem Olhar.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
CIDADE DOS PATOS (cordel infantil) há 1 dia

Vivia na bela cidade dos patos Um velho pato que contava fatos De uma fam...
madalao Infantil 5


"Feliz...dia...de...São João" ... há 1 dia

Quem dera ir mais além, cantar mais alto Sobre esse chão salgado onde na...
joaodasneves Poesias 7


No Vento da Literatura há 1 dia

Gosto da poesia quando chega de surpresa... Pode não ter beleza, mas q...
a_j_cardiais Poesias 38


Bendito Amor Eterno há 2 dias

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 17


"Vendo" há 2 dias

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 10


"Te amo vinho tinto" há 2 dias

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 11