Corpo morto

15 de Julho de 2014 Valdir Gomes Poesias 205

Como fica gelado!

Como fica ausente!

Como fica pálido,

O corpo morto da gente!


Parece pedra imóvel!

Parece rio sem água!

Destino inexorável

Sem dor, nem mágoa!


Sem sentimento

Confunde o momento

Parecendo que dorme...

Mas está morto!


Não beija;

Não ama!

Não sente;

Não chama!


E todos agem assim,

Todo morto, sem dó...

E que depois descerá à cova

E ali se confundirá com o pó.


Para então cair no esquecimento!


Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 4 horas

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 9


Principio há 4 horas

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 8


Viandar há 4 horas

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 7


Fluxo do tempo. há 4 horas

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 9


Sou há 4 horas

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 8


Ame...! há 4 horas

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 6