Grande Teatro do Pesar

24 de Agosto de 2011 Fred de Oliveira Poesias 454

Socos em muros de pedras secas
placas de metal soltas, sobre meus pés,
esquecendo as coisas e ganhando forças
para amortecer as dores de dentro.

Sigo, olho ao redor, e nada
porque a gente não sabe o começo
e os fins de tudo, onde termina
não sou o roteirista.

Conclusão: eu sangro.
sobreviver aos próprios meios
e nesta estrada vou aprendendo
Me mantendo detendo na própria sela.

Disfarço, sorrio, olho pra você
mas o grande teatro é encenado,
e nesse palco da vida não sabem
que eu choro nos camarins.

Caindo nos meus pedestais,
sedento pela água que não seca.
Míseras três horas da manhã,
afogo no lamento das láguimas.

Reflito, deito, e durmo
o melhor a se fazer muitas vezes
e o acordar é uma dádiva,
as vezes pode ser pesar.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 2 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 5


LAMPEJOS há 2 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 5


Deixe Esse Amor Crescer há 17 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 33


Ás palavras não são mais meu legado. há 18 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 7


Não há o que comemorar. há 18 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 18 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 7