Cheiro

04 de Agosto de 2014 Leonardo Koury Poesias 246

Teu cheiro confunde com meu cheiroParece até exagero, mas não receioDe exagerado ser.

No teu corpo sinto meus devaneiosMinha boca na procura dos teus seiosTeus lábios na fissura dos meusNa vontade eterna ou no fenecer.

Teu gosto é meu, de tal forma estupidaNa sensível grosseria aguda,Que tuas mãos me percorrem sem ajudaQue nossa confusão não tende a responder.

A moral cristã que nos persegue,Minha alma a tua foi entregue, não negue Estamos entregues bem mais Que só até o amanhecer. 

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 1 dia

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 10


Principio há 1 dia

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 9


Viandar há 1 dia

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 9


Fluxo do tempo. há 1 dia

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 1 dia

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 1 dia

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8