O chamado

29 de Agosto de 2011 William Adriano Poesias 113

O chamado
(de William Adriano)

Quando eu contemplava a suave brisa sapiente
Que surgindo dentre as árvores me surpreendia
Arrebatava-me em um estado de profunda paz
Assim aceitei os ocultos desígnios que se revelaram

Os sinais, mesmo simples, que antes eu desconhecia
Indicaram-me um ponto referencial de interseção
Que chocava meu antigo eu, sonolento e opaco
Com meus novos olhos, clarificados pela compreensão

Escute e prontifique, me disse a brisa sussurrante
Guarde consigo o suficiente para essa viagem
Olhe atentamente para os sinais da mata virgem
E adentre-se, torne-se um só com a trilha que se estende

//canticospelapaz.blogspot.com/
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 6 há 2 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 12


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 5 há 2 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 9


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 4 há 2 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 9


"Chorar por um amor" há 10 horas

Quando conquistamos um amor, e o nosso coração chora, não há ningué...
joaodasneves Poesias 13


"tantas vezes" há 10 horas

Tantas vezes sou o homem mais forte do mundo Outros sou o mais fraco, si...
joaodasneves Poesias 13


"Naveguei" há 18 horas

Naveguei entre mares, e tempestades, ninguém me acompanhou, Meu sofriment...
joaodasneves Poesias 11