A cidade olha,
com olhar difuso,
esse povo obtuso
transitando pelas vias
de sua alma...

A cidade esta calma,
e coberta de entulho.
Precisa dar um mergulho
num mar de limpeza.

A cidade da beleza
(brilhante de dia)
tem em sua sinfonia
um solo de pobreza.

A cidade quando ronca,
acorda assustada
sendo vilipendiada
e levando bronca.

A cidade é assim:
próspera e pobre.
De um lado o nobre,
do outro o chinfrim.

A.J. Cardiais
Poema do livro "Anarquia Poética"
https://www.clubedeautores.com.br/book/160719--Anarquia_Poetica?topic=poesia#.U_PpOfnxoQA