Poema Sujo

25 de Agosto de 2014 professor Poesias 204

Poema Sujo


Turvo
turvo
a turva

mão do sopro
contra o muro escuro
menos menos menos

que escuro menos
que mole e duro menos
que fosso e muro:

menos que furo escuro
mais que escuro:
claro como água?

como pluma?
claro mais que claro claro:
coisa alguma e tudo

(ou quase) um bicho que o universo fabrica
e vem sonhando desde as entranhas
azul era

o gato azul
era o galo azul
o cavalo azul

teu cu

tua gengiva

igual a tua bocetinha

que parecia sorrir entre as folhas de banana
entre os cheiros de flor e bosta de porco
aberta como uma boca do corpo

(não como a tua boca de palavras)
como uma entrada para eu
não sabia tu não sabias fazer girar a vida

com seu montão de estrelas
e oceano entrando-nos em ti bela
bela mais que bela

mas como era o nome dela?
Não era Helena
nem Vera

nem Nara
nem Gabriela
nem Tereza

nem Maria
Seu nome seu nome era…
Perdeu-se na carne fria

perdeu na confusão de
tanta noite
e tanto dia.

Ferreira Gullar

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Circunstâncias há 11 horas

Não quero me perder, procurando a perfeição... Ser perfeito em quê? ...
a_j_cardiais Sonetos 31


"A maldade" há 22 horas

De que me serve escrever, inventar, sonhar sem pensar No meu interior me a...
joaodasneves Poesias 8


"Não sei" há 1 dia

Hoje tenho vontade de rir Mas também tenho vontade de chorar Ja nem sei ...
joaodasneves Pensamentos 5


Domínio do Pecado ou da Graça há 2 dias

Se é impossível não pecar enquanto estivermos neste mundo, por que J...
kuryos Mensagens 18


Ventinho Delicado há 2 dias

Uma mulher passa com seu rebolado... Um ventinho delicado faz seu vestid...
a_j_cardiais Poesias 49


Mortos Vivos, Vivos Mortos há 2 dias

O que é viver? Tem gente que tem tudo, e não se sente feliz... Fica as...
a_j_cardiais Poesias 48