Preciso concentrar-me mais...
Arregaçar as mangas do poema
e botá-lo para lutar
contra as injustiças sociais.

Meu mal em mel se fez.
Minha indignação ficou para trás.
Minha fome feroz de tudo
esbarrou num sem fim de mundo
e ficou brincando de rimar...

Eu deixei de sonhar
e parti para o estudo.
Perdi-me num sem fim de mundo,
e voltei com a cara de tacho...
E agora, onde eu me encaixo?

Solto este poema na correnteza
e deixo que me mostre
o caminho.

A.J. Cardiais
14.01.2011