Na Correnteza

27 de Agosto de 2014 A.J. Cardiais Poesias 222

Preciso concentrar-me mais...
Arregaçar as mangas do poema
e botá-lo para lutar
contra as injustiças sociais.

Meu mal em mel se fez.
Minha indignação ficou para trás.
Minha fome feroz de tudo
esbarrou num sem fim de mundo
e ficou brincando de rimar...

Eu deixei de sonhar
e parti para o estudo.
Perdi-me num sem fim de mundo,
e voltei com a cara de tacho...
E agora, onde eu me encaixo?

Solto este poema na correnteza
e deixo que me mostre
o caminho.

A.J. Cardiais
14.01.2011

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 1 dia

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 10


Principio há 1 dia

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 9


Viandar há 1 dia

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 9


Fluxo do tempo. há 1 dia

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 1 dia

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 1 dia

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8