Fim da Tristeza

27 de Agosto de 2014 A.J. Cardiais Poesias 333

Cubro-me de riso,
porque fico melhor assim.
Amasso minha tristeza
e jogo no fundo do poço.
Se ela gritar por mim,
finjo que não ouço.

Tomo uma dose de alegria
e fujo da nostalgia
que está vindo em meu encalço...
Se ela conseguir me pegar,
o que é que eu faço?

Eu fui visto com a tristeza
ainda há pouco...
Então vou ser condenado
por ter jogado
a tristeza no fundo do poço.

O que será que aconteceu?
Será que ela morreu?
Tomara que sim...
A tristeza mereceu
este triste fim.

A.J. Cardiais
18.12.2010

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
LUTA ARMADA há 8 horas

LUTA ARMADA Aqueles tidos como imprescindíveis Pelo afã de lutar toda...
ricardoc Sonetos 4


Paz Celestial há 19 horas

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 11


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 1 dia

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 55


Poema Suado há 1 dia

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 44


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 19


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 12