Que pudores posso ter
se o teu toque me desmonta.

Esse toque visceral,
imoral, e imperfeito.

Mas que percorre o meu corpo suado
e te transforma nas sendas

do meu pecado
Que pudores posso ter

se a tua boca insana
me estremece nessa cama

fazendo o inimaginável no meu ser

Que pudores posso ter
se me engoles por inteiro

e me devoras de janeiro a janeiro