Na minha mente
os escombros dos poemas
fazem uma confusão...
Estou tentando
uma "nova construção".

Eu não queria reciclar nada,
dessas estruturas abandonadas...
Mas, tadinhas... Coitadas...
Uma porção de rimas pobres
estão clamando minha atenção.

Mas que ricaço sou eu,
para esnobar das rimas pobres?
Usar rimas usadas
também não é reciclar?

Se reciclar é a "ordem do dia",
o papel da Poesia
também deve ser reciclar.

A.J. Cardiais