Lamentação Rotineira

12 de Setembro de 2011 Gisela Cardoso Poesias 11

O cotidiano nunca muda
Sinto a brisa da manhã
E o adeus do sol a tarde.
A meditação nunca muda
A reflexão sobre a minha vida vazia
Me sinto doente e fraca
Sem poder, sem sentindo
Apenas sinto a agonia que me corrói

"Abra o seu coração" - disse-me uma voz
Como abrir aquele que já sofreu
Inúmeras cicatrizes ao longo dos dias?
Tentei me afogar em minhas próprias lágrimas
Mas, nada adiantou. Só me trouxe mais aborrecimento.

Lamentações, lamentações, lamentações
Nada muda, nada se transforma
Sempre, sempre é essa a rotina
Oh! Minha triste rotina!
Por que ainda insisto?
O amor não se explica,
Disse uma vez o poeta...

Quem sou eu para desafiar a voz do poeta?

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Meu café há 4 horas

UM CAFÉ SEMPRE CAI BEM...ANTES DO ALMOÇO,DEPOIS DELE... TE FAÇO UM CA...
anjoeros Poesias 6


Ao pé do ouvido há 4 horas

Vem cá, menina... Deixa eu te falar, bem lá dentro do teu ouvido, tudo ...
anjoeros Poesias 8


Poesia viva há 4 horas

AMO VOCÊ,MINHA POESIA VIVA... TRAZES NO CORPO AS ESCRITAS DA VIDA OS MOM...
anjoeros Poesias 7


Só pra te aguardar... há 4 horas

QUISERA PODER LER TUA MENTE... SABER O QUE POSSO FAZER PARA TE SATISFAZER ...
anjoeros Poesias 6


A dor fazia lembrar. há 14 horas

Eu lhe atribui tudo de muito vil... No mais absoluto reflexo e pensar. P...
elisergio Sonetos 21


Meu sonho de mulher há 16 horas

Você é o meu sonho de mulher meu pensamento que se tornou realidade.. C...
anjoeros Poesias 13