Sigo o destino que é me imposto
A fuga é desnecessária
Suícidio é o repúdio de si mesmo
Por mais infeliz que seja
Recorrer ao místico sagrado é sempre preciso

O destino da mentira
É a consequência que causa
A dor na alma
O arrepio do arrependimento
A vontade de mudar o tempo e o espaço.

Esqueço as palavras prontas
Eu nunca acreditei no paraíso
Mas sempre dei fé ao inferno
O inferno sempre existiu
Eu sempre existi nele.

Infeliz tristeza que me acompanha
E sempre irá me guiar
Mesmo estando entre as garras do amor
Ela será a minha fiel escudeira
Oh, destino!