Rastejando

18 de Setembro de 2014 Elias Lima Poesias 1167

Eu estive esperando a luz por tanto tempo
Que o meu espírito já estava perdido em algum lugar
Minha alma não respirava
E nem conseguia sonhar.

Aprisionado por pesadelos de criança
Eu nunca senti a vida me abraçar
O caos desenfreado me movia como numa dança
E me fazia adormecer com canções tenebrosas de ninar.

Minha mente estava imobilizada
Eu só via a morte chegar
Todos os dias
Batendo em minha porta.

Acorrentado pelas garras da escuridão
Eu não saia do lugar
Tudo era pura ilusão
Tudo era mentira e decepção.

Eu era pequeno demais
Para carregar tamanha assombração
Para suportar toda aquela angústia no coração.

Por isso eu adormeci por todos estes anos
Esperando a Grande Luz chegar
Enfim, eu parei de sangrar por esperança
E encontrei o meu lugar.

Mas agora eu me pergunto:
Aonde você está?
Será que ainda me espera?
Será que ainda me deseja
E quer para sempre, me amar?

Você era a chama que me mantinha vivo
Enquanto eu guerreava contras as minhas sombras
Você era a única vida entre mortos
Você sempre foi a minha salvação querido.

Por isso eu imploro:
Por favor, não me deixe só novamente
Pois você é o meu anjo salvador
És minha única razão de respirar.


O teu beijo me dá força para suportar
Tudo que sozinho me faz sangrar
O teu olhar é a minha estrela
Que ilumina os meus caminhos mais escuros
Que não me impede de me entregar.

O teu calor é o meu sol
Que me aquece nos dias frios
O teu toque é a chama
Que mantém meu corpo vivo
Espantando todos os espíritos obsessivos
Me livrando de todos os castigos.

Sem você querido,
Eu nado em minhas lembranças desumanas
De ondas vermelhas de sangue negro
Então eu perco novamente a esperança
E ponho-me a afundar em meu oceano
De dores profundas, perdidas e órfãs
E sem fôlego,
Caio dentro do inferno que há em mim
Desde a minha sombria infância.

Eu te vejo tão distante
Parece que você encontrou um novo amor
E o seu coração já não pode mais me ouvir
E eu nem consigo mais ouvir sua respiração.

Diante do meu fim, eu me entrego?

Você era a razão de eu estar aqui
Mas tudo não passou de um grande engano
Uma grande decepção para a minha dolorosa coleção.

Mas desta vez irei me salvar por mim mesmo
E vou acreditar que tudo não passou de um terrível pesadelo
Quem sabe você aparece na outra estação?

Guardarei o nosso triste sonho
Em minha caixa de sonhos destroçados
Juntamente dos meus traumas no passado.

E em meu céu púrpuro de desesperança
Gotas congeladas de sangue caem sobre mim
E eu descansarei de toda angústia que senti
Quando eu acreditei que poderia viver
Sem sentir a morte me morder.

E não me acorde se não for por amor eterno
Se não for para fazer do meu jardim um paraíso tão belo
Eu sempre pertenci ao mundo dos perdidos
Então eu me reencontro nas gotas de neve de qualquer inverno.

Então não me toque se não for pra sempre
Não me abrace se não vai ficar
Eu não suporto sentir mais uma única dor.

Então não me dê o teu calor
Se não for me aquecer os sonhos
Se não vai limpar o meu reflexo sujo no espelho
Se não for quebrar todas as minhas lembranças
De uma vida cheia de terror.


Não me beije se não for curar minhas feridas
Não faça amor comigo se não for amor verdadeiro
Não faça de mim mais um em seu caminho passageiro
Para isto que parece ser o meu destino:
Um eterno abismo de dor e vazio
E medo.

Eu estou caindo em um sono profundo
Esquecendo de tudo que me atormentou
E minha memória logo se apagará
Porque enfim,
Nesta vida eu não vou estar.

No campo de elísios eu me reencontro
Entre todos os sonhos destruídos eu sonho
Que um dia você poderá me amar de verdade
E então eu encontrarei a cura
Para toda essa dor que me esvazia
Me estuprando a vida
Apodrecendo o meu corpo.

Mas se você não vier
Então como um rouxinol solitário
Eu cantarei
Por essas mágoas de vidro
Que me esquartejam o espírito
Que cortam minhas asas negras
Me impedindo de voar.

Mas não importa
Pelo resto da vida então
Eu me rastejarei
Procurando amor pelo mundo da morte
Onde eu nasci, vivi e sempre pertenci.

E você não poderá me encontrar
Pois minha sanidade irá se esvair
Como fumaça podre das indústrias
Como as árvores queimadas para fazer estradas.

Então agora eu entendo,
O meu destino é estar submergido
Só assim eu encontro paz
Só assim eu me encontro
Comigo.


Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 1 dia

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 10


Principio há 1 dia

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 9


Viandar há 1 dia

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 9


Fluxo do tempo. há 1 dia

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 1 dia

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 1 dia

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8