A sala

25 de Setembro de 2014 Miranda Poesias 267

Vejo um retrato mórbido na parede
Algo me corrói e gela a alma
O quadro parece querer que eu o adentre
Desvio meu olhar,mas não adianta
Tenho uma pedra em meu estomago
Não consigo sair deste sofá
Procuro um controle,mas não encontro
Fico torcendo para que alguém chegue
Quem sabe o telefone toque
Ah um peso em meus ombros e a caneta treme
Não sei o que estou lendo nesta folha
Minha cabeça pesa e parece vazia
A janela é translucida,isso não me conforta
O ponteiro dos minutos parece parado
A angustia me atinge com farpas...
Mas isso é meu coração que dói
Meu anjo protetor esqueceu de mim
Estou só,ainda me resta rezar
Elevo meus olhos
Uma porta bate...
E eu...
Acordo!



Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11