Poetas punheteiros

04 de Outubro de 2011 EDUARDO NEGS CASTRO Poesias 1897

Eu desprezo esses poetas que só versejam belezas,
Jamais ignorarei a feiúra nos meus poemas,
Mas onde melhor me adapto é no recheio,
É lá onde a vida grita em seus maiores devaneios.

Não me interessam muito os topos das alegrias ou das tristezas,
Prefiro encontrar nas brechas a substância dos meus temas,
Na existência plena que se encontra no meio
É de onde eu tiro a matéria, é onde eu chafurdo e peido.

Eu menosprezo esses poetas que mais parecem punheteiros,
Que desconhecem que de tudo pode nascer um poema,
E que se acreditam magos apenas porque se entediam,
E resolvem que são sublimes apenas porque caneteam.

Não me interessam os cumes, os épicos, os gênios,
O que me atrai são as cuspidas surgidas do cotidiano,
O que desejo em meu texto é aprender a fazer os desenhos
Das palavras e imagens que surgem em meu pensamento.


29/09/2011


Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 14


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 11


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 10


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 11


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 11


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 10