Um jogador (Saliva ácida)

13 de Outubro de 2011 EDUARDO NEGS CASTRO Poesias 503

Sou um sujeito um tanto macambúzio,
Tal qual Dostoievski em São Petersburgo,
Misantropo, ando buscando refúgio
Das bombas que zombam, julgando-me surdo.

Não sou um poeta, nem anjo, nem augusto,
Talvez um neurótico, da paz um viúvo,
Um rude pateta, sem meta e com susto,
Um mero protótipo de lobo sem uivo.

Babando, raivoso, saliva ácida,
Dos cantos da boca sombria e flácida,
Eu te agrido com palavras ásperas.

Olhando, nervoso, com gestos grotescos,
Te insulto e descubro o meu parentescos
Com as lesmas nojentas, cobras e baratas.


Agosto/1998


Leia também
Uma Tal Pedra há 15 horas

No meio do caminho de muitas famílias, agora tem uma pedra... Tem uma...
a_j_cardiais Poesias 22


Mundo da Gataria há 16 horas

Gato criado com mordomia, não conhece o mundo da gataria. Não sobe nos...
a_j_cardiais Infantil 44


A história do amor há 16 horas

A história do amor O amor sempre existiu Em muitas formas Em várias ...
pfantonio Poesias 30


AFRO-AMERICANO - Des-História Universal há 17 horas

AFRO-AMERICANO Terra da Liberdade, a Norte-América Tornou republicana ...
ricardoc Sonetos 8


"Primeiro encontro" há 21 horas

Olha, te recordas da primeira vez que eu te vi? não foi só pra me distr...
joaodasneves Mensagens 7


John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P3 há 1 dia

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 9