Apenas

03 de Novembro de 2011 Fred de Oliveira Poesias 431

Caindo lentamente
descendo calmamente
sem pressa, atendendo meu pedido

Sem medos, apenas chorando
e pelos cantos escuros
escorrendo pelo ralo
toda poeira da alma

Casa abandonada
Rebocos mal feitos
Tijolos não me assustam
E nem me assombram nos sonhos

Apenas correndo para larga solitude
latitude e longitude inexistentes
Fora da sala, fora do mapa

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Obedecendo o Vento há 9 horas

As folhas caem, e eu quero falar sobre isso, sem me preocupar com o feiti...
a_j_cardiais Poesias 26


"Verão na Europa" há 11 horas

Hoje começou o verão Mas todos os dias, são dias de verão O verão na...
joaodasneves Poesias 5


"Maria Emília" há 13 horas

Meu amor Antes de tu nasceres Raramente eu pensava em ti Iria com o pass...
joaodasneves Acrósticos 7


"Sou" há 14 horas

Sou o livro sem palavras Sou a historia por contar Sou o céu sem estre...
joaodasneves Acrósticos 7


"Livro sem letras" há 16 horas

Meus livros já estão sem letras Meu papel sem cor Com a caneta vazia Q...
joaodasneves Poesias 8


Amor há 18 horas

Quando Jesus diz que aquele que o ama é quem guarda os seus mandamentos, o...
kuryos Acrósticos 8