Guerra de Gigantes.

04 de Junho de 2011 [email protected] Poesias 624

Ainda sobrevivo, mas estes mundos que

arrastam- me hão de vencer- me.



Contrária eu sigo numa guerra sangrenta

em busca de vitórias que me são devidas.



Gosto de veneno ácido destroçam

órgãos que lutam comigo e cravam bandeiras.



O retorno é a batalha mais árdua,

num terreno árido enfrento meu pior inimigo.



Algoz de mim mesma, rasga minhas teias,

desnudá- me a alma e meus olhos sangram.



Heroína de cristal, por terra, sem chão, sem

lugar nenhum, sem amor, uma dor sem pudor

sem troféu.



No vazio mais profundo que minhas retinas alcançam,

em um espaço absurdo e louco, um prelúdio de mim mesma

empunhando almas.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P4 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 4


John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P3 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 4


John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P2 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 4


John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P1 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


"Ontem a noite" há 13 horas

Ontem pela noite Sentei-me no sofa A saudade batia-me no rosto A solidã...
joaodasneves Pensamentos 18


Confessar e se Arrepender em vez de se Endurecer há 16 horas

Em face de termos tão grande sumo sacerdote à direita de Deus nas altur...
kuryos Artigos 17