Ainda há esperança

28 de Novembro de 2011 William Adriano Poesias 336

Ainda há esperança
(de William Adriano)

A humanidade se devora
E cria leis para se engolir
Sem morrer de culpa
Mas ainda há esperança

A mentira desnutre a alma
E desfalece os sonhos
Envelhecendo-nos precocemente
Mas ainda há esperança

A guerra perde o sentido
Quando se fala a mesma língua
Mesmo assim persiste o punho
Mas ainda há esperança


Há esperança...
Mesmo que o sol nos puna
Há esperança...
Mesmo que o sangue seque
Há esperança...
Nas noites escuras da alma

Há esperança...
Simplesmente porque você
Não deixou de acreditar

//canticospelapaz.blogspot.com/
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Santificação, um Trabalho Progressivo – Parte 2 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


Santificação, um Trabalho Progressivo – Parte 1 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


"Ultimo Poema" há 8 horas

Me cansei de viver esperando Vai ser o ultimo verso que te escrevo A ulti...
joaodasneves Poesias 6


ESTHER há 10 horas

ESTHER Não raro te surpreendo enternecida E me perco em teus olhos tã...
ricardoc Acrósticos 6


REFLEXÕES DO ANDARILHO. ESCOLA DA VIDA há 21 horas

Caminhar e pensar, pois enquanto caminhamos oxigenamos o nosso cérebro, qu...
paulocesar Acrósticos 8


Da Maior Importância há 1 dia

Não sei de muitas coisas que costumam dizer que é importante saber... ...
a_j_cardiais Poesias 32