Cumplicidade.

14 de Junho de 2011 [email protected] Poesias 550

Tarde morna, gente orla pela sala, logada na banda que é larga de bytes. Vão e vêem em dados, em megas.

Luz, cam, ação...

__Boa tarde!

E-mails checa e responde, anexos arquivos... Tec... Tec... tecla, conferencia!

Os clientes e seus pedidos, encaminha. Campainha é o skype que insiste, aceita, ouve... Fala, fala, interessa, oferece tendências e novidades do mercado. Apresenta, inventa, vende tecnologia... Escreve, bebe, verte, cheira poesia... Uma sinfonia, diria.

A tarde é morna, sem comiseração alguma, assemelha uma apatia . Recosta na cadeira confortável, retira a ferramenta de trabalho da cabeça, enrosca nos cabelos de ondas raras.

Relaxa... Pensa: Há dias não te vejo, anseio teu beijo, teu calor... Me excedi... Te perdi sem querer nos ferir, na única batalha aceitável, a do amor, proclamei todo meu amor, decretei te vencer sem sentir-me vencedor. Antes, cúmplices no desejo que marca a carne, faz perder a alma.

Um vermelho flamante na barra da tela deixa a sala quente e de repente é você que chegou. Um toque... Te vejo nas palavras repetidas, únicas de saudades, de vontades, de paixão, vão e vêem esquentando a tarde morna. Cruza e descruza as pernas, mãos umedecendo, batimentos cardíacos subindo, já vindo na boca, se morde, o lábio, umedece, contrai o vulcão que vai e volta.

Em brasa, detém, a ameaça... À tarde em lavas, amorna, a sala em bytes devora.
Desejo, de bicho solto, devorar, saciar. Sai pra rua, vento quente beija a nua que alucina febril, exala cheiro e no farol os olhares serpenteiam as vontades que se calam. É tua, a fala que me leva pelas ruas, a sua. Chego tua, próxima, bem próxima. Risos, necessário, sejas, tu eu bem vindos. Toque ponta, cheiro, o procurar, o descobrir, a devastação das fronteiras. Método artesanal às mãos, o cio, vendo descoberto o clima, o que cria, o abraço e o beijo.. Não para e não sara, não cala... Esbraveja simples, me beija demais e mais do que ficou e mais e mais e mais que não te falte fala, ou que falte, ou que tudo solte num brado, justo, feliz, prazer!

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
O ESQUELETO DE PINGUIM - O Homem do Saco e Outros há 3 horas

O ESQUELETO DE PINGUIM - O Homem do Saco e outros Contos -- "Hoje eu vi ...
ricardoc Crônicas 6


"Que bonita mulher" há 7 horas

A luz do teu olhar, a boniteza da tua face, o brilho do teu sorriso, ...
joaodasneves Homenagens 8


À LUZ DE LAMPIÕES há 7 horas

À LUZ DE LAMPIÕES (rondó) E se, por uma rua escura, Luzindo em minha...
ricardoc Poesias 7


Pelo Espírito há 13 horas

Nada do que Jesus cita no Sermão do Monte nos capítulos 5 a 7 do evangelh...
kuryos Acrósticos 6


A Linha da Vida há 15 horas

O futuro é daqui a pouco, mas talvez não possamos vê-lo. A vida é com...
a_j_cardiais Poesias 33


Obedecendo o Vento há 1 dia

As folhas caem, e eu quero falar sobre isso, sem me preocupar com o feiti...
a_j_cardiais Poesias 43