A forma das coisas

27 de Dezembro de 2011 William Adriano Poesias 370

A forma das coisas
(de William Adriano)

Cada pensamento se desgarra de suas raízes impulsivas
Quando o silêncio arrebenta a linha da pipa livre

É aí que ela sobrevoa livremente o céu
Desapegada da mão do condutor

Várias crianças das nossas antigas deturpações
Saem correndo em busca da queda livre da mesma

Mas ela ao se libertar e correr livre pelo céu
Não tem mais dono, nem linha e nem destino

Cairá onde o vento imprevisível a levar
A nossa perseguição terá por fim então

Veremos que ela ganhou uma nova forma e estrutura
Não está mais apegada à linha dos nossos preconceitos

Voa livre, pluma sem rumo
Voa leve, paina sem dono
Tateando as brancas nuvens
Dentro de nossos corações

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
//canticospelapaz.blogspot.com/

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 15


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 13


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 15


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 13


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11