Esses anos que passam ainda dóem.
Teimosos como meus pensamentos,
Insistem em pisar pelo pior caminho.

Entre calendários e memórias,
Tudo me atropela como ferro frio:
Sem calor, sem sangue,
Nem verdade, nem vida.

Pois, ainda preso a ti, eis-me! Morto-vivo.
Resto de restos, costura macabra,
Um sopro da sombra de um homem.




- - -
www.homensqueamam.blogger.com.br
msalgadosp@gmail.com