Cerebridades

29 de Dezembro de 2011 Rafael Otávio Modolo Poesias 582

Venero a sabedoria,
Exalto o intelecto,
Busco noite e dia
A luz de um mundo infecto.

Amam a futilidade,
Adoram a celebridade,
Descartam livros
Por banal vontade.

Dizei-me, por favor,
Que demência é esta
Reluzindo no corredor?

Por que, dizei-me,
É famoso o joalheiro,
Mas esquecido o garimpeiro?

Queixo-me a todos,
Indago pela verdade,
Pois ainda sonho
Com um mundo de ‘CEREBRIDADES’ !

__________________________________

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
A Linha da Vida há menos de 1 hora

O futuro é daqui a pouco, mas talvez não possamos vê-lo. A vida é com...
a_j_cardiais Poesias 23


Obedecendo o Vento há 14 horas

As folhas caem, e eu quero falar sobre isso, sem me preocupar com o feiti...
a_j_cardiais Poesias 36


"Verão na Europa" há 17 horas

Hoje começou o verão Mas todos os dias, são dias de verão O verão na...
joaodasneves Poesias 7


"Maria Emília" há 18 horas

Meu amor Antes de tu nasceres Raramente eu pensava em ti Iria com o pass...
joaodasneves Acrósticos 8


"Sou" há 19 horas

Sou o livro sem palavras Sou a historia por contar Sou o céu sem estre...
joaodasneves Acrósticos 8


"Livro sem letras" há 21 horas

Meus livros já estão sem letras Meu papel sem cor Com a caneta vazia Q...
joaodasneves Poesias 9