DELÍRIO

27 de Janeiro de 2012 Marco Tisi Poesias 527

O vento entra em meu quarto,
com uma musicalidade,
intensa, harmoniosa e triste.

E eu me elevo de minha cama,
como a iniciar uma viagem astral,
que o vento me leva para ao que vivi.

Me leva para o meu passado recente,
dos momentos inesquecíveis que
desfrutei, que é a matéria prima
da minha maior saudade.

Mas me leva também, nesse passado
recente, a outros momentos, tenebrosos,
de ouvir o que nunca queria ter ouvido,
que também são a matéria prima,
da minha tristeza, dor, desespero
e melancolia.

Delírio, que o vento me trás,
todas as noites, para sentir,
acordado, a viagem astral,
que me encanta e ao mesmo
tempo me alucina.

Esse é, de agora em diante,
o delírio do meu viver.
De saudades doce e
melancolia tenebrosa.

Esse é o delírio de sua
ausência, mas que também
é a certeza, que não é delírio
o Amor que guardo em meu
coração e é a razão do meu viver.


Leia também
CIDADE DOS PATOS (cordel infantil) há 11 horas

Vivia na bela cidade dos patos Um velho pato que contava fatos De uma fam...
madalao Infantil 5


"Feliz...dia...de...São João" ... há 18 horas

Quem dera ir mais além, cantar mais alto Sobre esse chão salgado onde na...
joaodasneves Poesias 5


No Vento da Literatura há 19 horas

Gosto da poesia quando chega de surpresa... Pode não ter beleza, mas q...
a_j_cardiais Poesias 30


Bendito Amor Eterno há 2 dias

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 13


"Vendo" há 2 dias

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 9


"Te amo vinho tinto" há 2 dias

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 10