Suas palavras feriram-me de morte, duras feito rocha, contundentes
Afiadas feito faca, rasgaram-me o peito, estraçalharam minha alma
É o fim dos meus sonhos, o adeus à felicidade que eu encontrava no teu riso, no teu olhar e no acalento do seu corpo
Sou tomada por uma angústia que me faz faltar o ar, tira-me o controle do próprio corpo e me faz tremer,
Um tremor infausto percorre-me o corpo, uma dor no peito que me faz sangrar
Lágrimas de dor e pesar inundam meus olhos que eu pensava já estarem secos de tanto chorar
Escorrem-me pelas faces, desfigurando-me de tanta dor
Estou exausta desse eterno penar, desse sofrer sem cessar por sempre querer aquilo que não sou digna de ter
De algum modo, o maior consolo que tenho é que vivi por alguns, uma alegria tão gigante que vale por uma vida, mas o que posso fazer se quero mais
Mais que uma noite, mais do que podem me dar, talvez mais do que eu realmente mereça, do contrário, agora eu não estaria a chorar
Meu corpo todo dói, tenso e o coração triste,
Olhar vazio, soturno, a vista nebulosa pelas lágrimas que ainda insistem em escorrer descontroladamente
E nesse momento, ó consigo crer que nem todos são feitos para o amor, alguns são feitos para amar, outros apenas para sofrer.

*Escrito em 19/setembro/2011