Quão doce prisão os teus abraços,
quão lindo oceano é o teu corpo
onde mergulho e me afogo
satisfeito e realizado.
Na fornalha ardente do teu corpo,
como lenha seca e ansiosa,
eu queimo e gemo querendo mais,
saio e entro em chamas
desejando ser ainda muito,
muito queimado nesse ardor
que me desfaz em gozo!