Inquietude

27 de Fevereiro de 2012 Charlene França Poesias 395

Finjo tanto, e tão completamente
Que me mostro.
O que escondo, já sabes, já tens
Amor que é vosso
Ainda que disfarçadamente.

E te inquieto, embora não queiras
E te completo, perto, longe
Embora não saibas.
Se passo, fico, pegadas na areia
Pranto fugido, almas doadas.

A paz que me tiras
É a que de ti foi roubada,
Desaprendida.
As vias em que entras,
Guiam meus passos
Perdida.

A lágrima que finjo, vertida
Nula, é a mesma que cai
Vertida da veia, rompida
Mas é a tua que se esvai.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
PAU DE FITAS há 2 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 4


PAU DE FITAS há 2 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 3


Falta de Amor ao Próximo há 7 horas

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 29


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 8 horas

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8


A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 12 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 16


ETERNAL (rondó) há 1 dia

ETERNAL (rondó) Não o poeta, sim a poesia Em cada verso haveria- De ...
ricardoc Poesias 8