Telhado ancião...

Histórias que rimam com pontos
a brisa que a manhã aflora
lua escancarada no vago espaço
a ampulheta da vida em halo de fel...

O pão em brilho enluarado
entre acordes e harmonia celeste
como semente do chão a brotar
ao nascer do sol a inquieta fome...

São raras as janelas que se abrem
ante ao relógio do quartinho pobre
ao sinal do poema pela calçada trilhado
onde o vento fez cantiga de ilusão...

Rejeita a noite a tela do caráter
agasalho que cobre o colo junto ao leito
e a tristeza em grito satisfeito
é a sombra da solidão o brilho no peito!


* A solidão dos idosos, tema que assola ao mundo, é triste realidade daqueles que um dia foram os alicerces para o crescimento de seus filhos!

Flávia Angelini