Do velho nunca mais

22 de Março de 2012 Alves de Araújo Poesias 382

Meu peito, conta-me algo para aliviar o cansaço que abrange e
chega assim tão sem tempo
Meu corpo sujo será lavado e batizado sobre as águas mais limpas
Minhas mãos, acolham todas as minhas lágrimas de agora e do passado
Quero todos os males cicatrizados, remorsos diante de uma garrafa vazia.
Bem que um longo faro se anuncia, sobre a descrença de algo inevitável
que caminha e suplica por meus braços de solidão
É uma mulher em chamas, seus olhos cheios de ternura criam
todos os meus passos, fazendo giros em tamanha proeza.
Eis que vem perto... Retirai-me os sentidos!
Levai-me águas! Embrulhar-me atritos!
Eis que um sorriso agora nasce com culpa
Distante, do velho nunca mais.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Circunstâncias há 5 horas

Não quero me perder, procurando a perfeição... Ser perfeito em quê? ...
a_j_cardiais Sonetos 30


"A maldade" há 16 horas

De que me serve escrever, inventar, sonhar sem pensar No meu interior me a...
joaodasneves Poesias 7


"Não sei" há 23 horas

Hoje tenho vontade de rir Mas também tenho vontade de chorar Ja nem sei ...
joaodasneves Pensamentos 5


Domínio do Pecado ou da Graça há 2 dias

Se é impossível não pecar enquanto estivermos neste mundo, por que J...
kuryos Mensagens 16


Ventinho Delicado há 2 dias

Uma mulher passa com seu rebolado... Um ventinho delicado faz seu vestid...
a_j_cardiais Poesias 48


Mortos Vivos, Vivos Mortos há 2 dias

O que é viver? Tem gente que tem tudo, e não se sente feliz... Fica as...
a_j_cardiais Poesias 47