Do velho nunca mais

22 de Março de 2012 Alves de Araújo Poesias 380

Meu peito, conta-me algo para aliviar o cansaço que abrange e
chega assim tão sem tempo
Meu corpo sujo será lavado e batizado sobre as águas mais limpas
Minhas mãos, acolham todas as minhas lágrimas de agora e do passado
Quero todos os males cicatrizados, remorsos diante de uma garrafa vazia.
Bem que um longo faro se anuncia, sobre a descrença de algo inevitável
que caminha e suplica por meus braços de solidão
É uma mulher em chamas, seus olhos cheios de ternura criam
todos os meus passos, fazendo giros em tamanha proeza.
Eis que vem perto... Retirai-me os sentidos!
Levai-me águas! Embrulhar-me atritos!
Eis que um sorriso agora nasce com culpa
Distante, do velho nunca mais.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
UM GATO NO ESPELHO há 5 horas

Um gato, parado diante do espelho do quarto de sua dona, discutia com...
madalao Infantil 12


Tudo junto e misturado há 12 horas

Tudo junto. Misturado. Animado. Apaixonado. Completamente dado e entreg...
anjoeros Poesias 14


Quando senti vontade de amar... há 12 horas

Prefiro ser acusado de amar demais do que ser reconhecido por ser aquele q...
anjoeros Poesias 9


Meu café há 1 dia

UM CAFÉ SEMPRE CAI BEM...ANTES DO ALMOÇO,DEPOIS DELE... TE FAÇO UM CA...
anjoeros Poesias 14


Ao pé do ouvido há 1 dia

Vem cá, menina... Deixa eu te falar, bem lá dentro do teu ouvido, tudo ...
anjoeros Poesias 15


Poesia viva há 1 dia

AMO VOCÊ,MINHA POESIA VIVA... TRAZES NO CORPO AS ESCRITAS DA VIDA OS MOM...
anjoeros Poesias 12