Desejos Proibidos

26 de Março de 2012 Branca Tirollo Poesias 419

Beije-me! Uma eternidade mui amante
Nesta doce magia que comporta
O triste eco do bater da porta
Entre nossos míseros instantes

Beija-me! Como um tufão em fúria
Ao atirar sobre chão - raios em cruzes
Beija-me! Como o reflexo complexo
Destas negras e desiludidas luzes

Beija-me! Como onda inquieta
Que ronda o céu e serena beija areia
Como o cair da noite - no raiar do dia

Como sol ardente e lua fria
Quero teu beijo! Beija-me!
Neste mísero instante de magia


( Da obra: A Magia da Solidão)

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
"A decadência" há 2 horas

Numa decadência sem fim. não paro de cair. Esta tudo muito escuro aqui,...
joaodasneves Poesias 7


"A Parede" há 2 horas

Esta parede que nos separa Tem que cair, assim falaremos de ti de mim Olh...
joaodasneves Pensamentos 5


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 6


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P3 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P2 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P1 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 6