Beije-me! Uma eternidade mui amante
Nesta doce magia que comporta
O triste eco do bater da porta
Entre nossos míseros instantes

Beija-me! Como um tufão em fúria
Ao atirar sobre chão - raios em cruzes
Beija-me! Como o reflexo complexo
Destas negras e desiludidas luzes

Beija-me! Como onda inquieta
Que ronda o céu e serena beija areia
Como o cair da noite - no raiar do dia

Como sol ardente e lua fria
Quero teu beijo! Beija-me!
Neste mísero instante de magia


( Da obra: A Magia da Solidão)