A gente cai,
a gente levanta...
Às vezes é pai,
às vezes criança...

A gente inventa
uma mudança,
inventa uma fé,
inventa uma festa...

Inventa um arco do triunfo,
na floresta.
A gente caminha
por uma trilha aberta,
que joga poeira do destino
em nossa testa...

Ai a gente protesta:
Viver é ruim!
Viver não presta!
Viver é fogo!
Viver é água!
Viver é gozo,
e não mágoa.

A.J. Cardiais
02.03.2012