Sonoridade

15 de Maio de 2017 A.J. Cardiais Poesias 198

Esse adorável som
do flautim
vem e não diz
o que ele quer de mim...

Vou à janela
a tarde é bela.
O vento frio e forte
dá-me um arrepio
de morte.

Eu tenho pressa
mas não tenho bússola
e um desejo muito forte
de sair...

Sair pra quê?
Pergunto a mim...
Quem me responde
é o som doce do flautim.

A.J. Cardiais
17.08.2010

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
CONTOS DO ANDARILHO A MULTIPLICIDADE NA UNIDADE. há 1 dia

CONTOS REFLEXIVOS DO ANDARILHO ...
paulocesar Acrósticos 14


A Motivação Correta há 2 dias

“Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais deba...
kuryos Artigos 18


A CALÇADA DE PEDAÇOS DE OUTRAS CALÇADAS há 2 dias

Ele acreditava em seu mundo; seu mundo, também esperava por ele. Ele se...
paiva Poesias 31


Ir, importa mais que a direção. há 2 dias

Vens, ama-me de vez em quando, Ainda quem sem tanto interesse. E assim pe...
elisergio Sonetos 16


A CASA DE BARRO há 3 dias

A CASA DE BARRO Por Roosevelt Vieira Leite A casa de barro de minha cun...
paiva Poesias 39


MULHER-ESPETÁCULO há 3 dias

MULHER-ESPETÁCULO Ela sozinha vale já o ingresso!... Seminua no palco...
ricardoc Sonetos 23