Alcançar o Amor

18 de Maio de 2017 Pr CJJacinto Poesias 378



Como nuvens que flutuam
No céu do coração infinito
Ai da minha dor e saudade
Do amor aceso, pedaços de tarde
Que fogem, como as ondas do mar

Feliz sem crer no afeto
Mãos vazias, as algemas das palavras vãs
Num certo dia de outono frio
Onde a doce melodia dos cântaros
Vasos vazios como coração sedento

Ai da minha alma de triste fome
Um vazio, buraco e brechas internas
Portos sem cais nessas turbulências iradas
Eu sou mesmo fel de amargura
Nessa intrépida cor do absinto

Mas longe vai meus braços
Como se a linha do horizonte dedilhada
Pudesse ressoar meus puros anseios
A falta de um amor mais grande
Tamanho do universo sem fim

De repente, um toque, um êxtase
Uma lembrança, uma lampada incandescente
Como mil sóis girando na revelação
Eu vejo o repouso suave nas mãos do coração
O amor chegou manso e agitou toda minha alma...

Clavio Juvenal Jacinto

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
FANTASIA há 2 horas

FANTASIA Ando às voltas com quem eu nunca fui, Perdendo-me no qu'eu ja...
ricardoc Sonetos 8


DOCE DELEITE - Tauto em "D" há 6 horas

Doce deleite.. Dani dormia, Despertava-me... Delícia! Doce de leite....
juniorcampos Poesias 6


Eu, você e o mar... há 6 horas

Eu e você a observar o mar, e, o mar a nos observar... Admiramos nele a ...
juniorcampos Poesias 4


BRINDES há 6 horas

Eu quis o céu, eu quis a lua, ganhei de presente você toda nua... E...
juniorcampos Poesias 8


JUNDU há 1 dia

JUNDU Longe, o voo elegante da gaivota. Entre a floresta e o mar, erva ...
ricardoc Sonetos 11


Momentos há 6 dias

Se torna estranho quando vc está feliz e quer gritar ao mundo. É estranho...
dree Pensamentos 44