Alcançar o Amor

18 de Maio de 2017 Pr CJJacinto Poesias 465



Como nuvens que flutuam
No céu do coração infinito
Ai da minha dor e saudade
Do amor aceso, pedaços de tarde
Que fogem, como as ondas do mar

Feliz sem crer no afeto
Mãos vazias, as algemas das palavras vãs
Num certo dia de outono frio
Onde a doce melodia dos cântaros
Vasos vazios como coração sedento

Ai da minha alma de triste fome
Um vazio, buraco e brechas internas
Portos sem cais nessas turbulências iradas
Eu sou mesmo fel de amargura
Nessa intrépida cor do absinto

Mas longe vai meus braços
Como se a linha do horizonte dedilhada
Pudesse ressoar meus puros anseios
A falta de um amor mais grande
Tamanho do universo sem fim

De repente, um toque, um êxtase
Uma lembrança, uma lampada incandescente
Como mil sóis girando na revelação
Eu vejo o repouso suave nas mãos do coração
O amor chegou manso e agitou toda minha alma...

Clavio Juvenal Jacinto

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Bendito Amor Eterno há 9 horas

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 6


"Vendo" há 11 horas

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 6


"Te amo vinho tinto" há 13 horas

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 7


Gradeados há 14 horas

O céu está logo ali, depois dessa janela enjaulada... Meu amor é qua...
a_j_cardiais Poesias 48


Vida Artística há 14 horas

Não quero viver ao Deus dará... Sei que aqui, em se plantando tudo dá....
a_j_cardiais Poesias 38


"Eu sou boémio" há 14 horas

Eu em criança já era rebelde e um pouco vadio. Usufruía da noite, mesm...
joaodasneves Acrósticos 4